O intestino como segundo cérebro: entenda o conceito

O conceito do “intestino como segundo cérebro” refere-se à conexão entre o sistema digestivo e o sistema nervoso central, conhecido como o eixo cérebro-intestino.

Essa conexão é uma rede complexa de comunicação bidirecional que envolve o cérebro (sistema nervoso central) e o sistema gastrointestinal (incluindo o estômago e o intestino).

O sistema nervoso entérico, também chamado de “cérebro do intestino” ou “segundo cérebro”, é uma extensa rede de neurônios que envolve o trato gastrointestinal.

Esse sistema é capaz de operar independentemente do cérebro central, mas também mantém uma comunicação constante com ele.

A comunicação entre o cérebro e o sistema digestivo ocorre por meio de sinais neuroquímicos e hormonais. O estômago e os intestinos possuem uma complexa rede de neurônios que permitem processar informações e controlar a digestão, absorção de nutrientes e a movimentação dos alimentos pelo trato gastrointestinal.

Além de suas funções digestivas, o sistema gastrointestinal também está intimamente relacionado ao sistema imunológico e pode influenciar a produção de neurotransmissores, como a serotonina, que está relacionada ao humor e bem-estar emocional.

Acredita-se que essa comunicação bidirecional entre o cérebro e o estômago possa ter um impacto significativo no nosso estado emocional, humor e até mesmo em condições de saúde mental, como a ansiedade e a depressão.

Estudos têm mostrado que o microbioma intestinal, composto por bilhões de bactérias que vivem no intestino, desempenha um papel crucial nessa comunicação entre o cérebro e o sistema digestivo.

Alterações no microbioma podem afetar o humor, o comportamento e até mesmo estar associadas a certas condições neuropsiquiátricas.

Embora a conexão entre o cérebro e o intestino seja fascinante e cada vez mais estudada, é importante enfatizar que o termo “segundo cérebro” é mais uma metáfora para descrever a complexidade da relação do que uma descrição científica literal.

Ainda há muito a aprender sobre essa conexão, mas já se sabe que a saúde do sistema digestivo e do cérebro estão intimamente interligadas e que cuidar do estômago e do intestino é fundamental para a saúde física e emocional geral.

Como cuidar do “segundo cérebro”

Foto: Freepik

Cuidar do “segundo cérebro”, ou seja, do sistema gastrointestinal e da conexão cérebro-intestino, é fundamental para a saúde geral do corpo e para o bem-estar emocional.

Aqui estão algumas dicas para cuidar dessa importante parte do nosso organismo:

Alimentação balanceada: Consuma uma dieta equilibrada e rica em fibras, frutas, verduras e alimentos fermentados, que ajudam a manter a diversidade do microbioma intestinal. Evite alimentos processados, com alto teor de gorduras saturadas e açúcares refinados.

Probióticos e prebióticos: Consuma alimentos ricos em probióticos, como iogurte natural, kefir e chucrute, que ajudam a promover a saúde do microbioma intestinal. Alimentos ricos em prebióticos, como cebola, alho e alcachofra, também são importantes para nutrir as bactérias benéficas do intestino.

Hidratação: Beba bastante água para manter a hidratação do trato gastrointestinal e ajudar na digestão adequada.

Reduza o estresse: O estresse crônico pode afetar negativamente a saúde do sistema gastrointestinal. Pratique técnicas de gerenciamento do estresse, como meditação, ioga, exercícios de respiração ou outras atividades que promovam o relaxamento.

Atividade física: Exercícios regulares podem beneficiar a saúde do intestino e melhorar a comunicação cérebro-intestino. Encontre atividades que você goste e as incorpore na sua rotina.

Evite excesso de antibióticos: O uso excessivo de antibióticos pode afetar negativamente a saúde do microbioma intestinal, matando bactérias benéficas. Use antibióticos apenas quando prescritos por um profissional de saúde e siga corretamente as orientações.

Sono adequado: O sono de qualidade é fundamental para a saúde geral, inclusive para a saúde intestinal. Tente manter uma rotina de sono regular e respeite suas necessidades individuais de descanso.

Consulte um profissional de saúde: Se você tiver problemas gastrointestinais persistentes, sintomas de desconforto, irregularidades digestivas ou questões de saúde emocional, consulte um médico ou um gastroenterologista. Eles podem realizar avaliações adequadas e fornecer orientações personalizadas para melhorar a saúde do “segundo cérebro”.

Lembre-se de que as necessidades do sistema gastrointestinal podem variar de pessoa para pessoa. É importante prestar atenção às reações do seu corpo e procurar ajuda profissional se necessário. Cuidar do “segundo cérebro” é um investimento na saúde física e emocional a longo prazo.

Imagem: Freepik

Referências: Neuroscience e Jornal USP

1 comentário em “O intestino como segundo cérebro: entenda o conceito”

Deixe um comentário